fbpx
Telefone (11) 4509-4697 Whatsapp (11) 93146-4697

MECÂNICO CONSEGUE NA JUSTIÇA DIREITO DE VISITAR PET DEPOIS DE SE SEPARAR

  • | em Direito Civil

    Um mecânico de 36 anos conseguiu na Justiça regulamentar as visitas a um cachorro. Anderson Alberto Ferreira e Sandra Fukishiro mantiveram relação por seis anos, sendo um ano e seis meses em união estável registrada. Em julho de 2016, resolveram adotar o cachorro, que pertencia a um vizinho e que sofria maus tratos.

    Durante a separação, ocorrida em outubro de 2017, ficou acertado que Sandra seria a responsável pela guarda do cachorro, um pug de 13 anos, mas que Ferreira poderia ficar com o animal aos finais de semana. As visitas ocorreram normalmente até 20 de outubro de 2018. Desde então, Ferreira não consegue mais ver o animal.

    O caso foi levado à 5 ª Vara da Família e Sucessões do Foro Central de São Paulo. Em decisão liminar, a juíza Christina Agostini Spadon aceitou os argumentos de Ferreira e estipulou o direito à visita. A decisão foi proferida no dia 13 de setembro, mas a dona do cachorro ainda não foi notificada.

    “A gente resgatou. Ele passava por maus tratos, aí conseguimos tirar ele da casa e começamos a cuidar. Na época, como eu morava bem perto do trabalho, era eu quem dava todos os remédios, até de madrugada. Na hora do almoço, eu ia pra casa só pra poder dar o almoço, os remédios”, disse. “Com isso, nos apegamos demais”, conta Ferreira.

    Após o resgate, o casal decidiu chamar o pet de Emmett Brown, uma homenagem personagem de Christopher Lloyd em “De Volta para o Futuro”. Ferreira chegou a fazer uma tatuagem em homenagem ao cachorro em 2016.

    Líder da matilha

    Ferreira comemorou a decisão. “Desde que foi adotado em 2016, já me apeguei a ele de cara. E depois de alguns dias ele me escolheu como líder da matilha. Essa decisão está sendo muito importante pra mim, pois me dá o direito de poder vê-lo e ficar em finais de semana alternados”.

    Segundo a advogada Barbara Santos, que atuou na causa representando o mecânico, a decisão reconhece que que o animal tem vínculo afetivo com as duas partes. “O cachorro é capaz de sentir e tem apego com ambos os donos. E os donos, certamente, também possuem esse carinho, esse apego. Esse vínculo tem que ser respeitado “, disse a advogada.

    “Esse cachorro é meu grande amor. Sinto falta dele todos os dias, e sei que ele também sente. Ele está doente, quase não anda, e eu quero estar com ele nesse momento. E quero que ele esteja comigo”, diz Ferreira, que conversou com a reportagem a caminho do veterinário. “Quero saber tudo que está acontecendo com ele”.

    Podemos ajudá-lo?

    Mande uma mensagem e descubra como podemos te ajudar.



    Como nos Conheceu?
    Assunto