O trabalho noturno na atual legislação trabalhista

Por Dr. Gustavo Hoffman,  especialista em direito do trabalho da Aith, Badari e Luchin Advogados.

Como sabemos, o ser humano, fisiologicamente é um animal de hábitos diurnos. Nosso corpo obedece ao ritmo chamado de “Cicardiano” – quase todos os seres vivos são adaptados a tal maneira, a ponto de, por exemplo, nossa visão noturna não ser tão boa, além de termos hormônios da memória e crescimento liberados no repouso noturno. Logo, dormir durante o dia, para compensar a noite não dormida não dá o mesmo resultado.

Inclusive por todos esses motivos o ser humano determinou que o funcionamento de estabelecimentos em geral se dessem antes do pôr-do-sol (mesmo as grandes metrópoles – aquelas cidades que “não param”, também diminuem o seu “ritmo” no período noturno).

Assim, a legislação trabalhista deu um tratamento de remuneração diferenciada aos empregados que laboram no período da noite.

Mas, para entendermos não apenas a remuneração propriamente dita ao empregado, precisamos pontuar o que a nossa legislação trata como jornada noturna e as suas diferenças entre as diversas localidades e trabalhos existentes.

 

Dessa forma, considera-se trabalho noturno na cidade aquele que é desempenhado entre as 22h00min de um determinado dia até as 5 horas da manhã do dia seguinte. Para os trabalhadores que exerçam suas atividades nas cidades, a remuneração à título de adicional noturno é de 20% (vinte por cento) sobre o salário do empregado.

No entanto, também temos uma contagem de horário que “desafia as leis da física”, chamada de “hora ficta”: isso compreende dizer uma hora de trabalho noturno na cidade corresponde a 52 minutos e 30 segundos, ao invés de 60 minutos. Por mais estranho que isso pareça, tal determinação legal não é por mero acaso, se pensarmos que isso visa com que o empregado noturno trabalhe uma hora a menos (sete horas), mas seja remunerado como se tivesse trabalhado por oito horas.

Portanto, para o empregado em turno noturno na cidade, além do adicional de 20% (vinte por cento) sobre o seu salário, o mesmo trabalha uma hora a menos do que os empregados fora da jornada noturna.

 

A jornada de trabalho noturno em âmbito rural (para os empregados que laboram no campo) é diferente da cidade em três aspectos:

– A hora noturna na pecuária corresponde o período entre 20h00min a 4 horas da manhã do dia seguinte. Na lavoura, o horário de jornada noturna se inicia as 21h00min e finaliza às 5 horas da manhã;

– A contagem das horas é feita da forma convencional, implicando em dizer que, para contagem das horas, não se aplica a regra da “hora ficta”;

– Em contrapartida, o adicional é maior, correspondendo a 25% (vinte e cinco por cento) do salário do trabalhador rural.

 

A jornada noturna dos trabalhadores portuários é maior: corresponde o período entre 19h00min e 7 horas da manhã. No entanto, o adicional obedece a regra da cidade (20% sobre o salário do empregado) e a contagem das horas se dá de maneira convencional, da mesma forma como é feita para os trabalhadores rurais.

 

É importante ressaltar que o intervalo para refeição (conhecido como “intervalo intrajornada”), seja qual for a localidade onde o empregado trabalha, sempre terá a mesma dimensão em horas cronológicas convencionais. Logo, o intervalo intrajornada não acompanha a chamada “hora ficta”.

 

De todas as formas, temos uma exceção em que as horas diurnas são contabilizadas e remuneradas conforme o horário noturno: a mesma se dá na hipótese de o empregado estender a jornada noturna até o início da jornada da manhã.

Exemplo: o empregado noturno que trabalha na cidade e termina os trabalhos após as 5 horas da manhã. O tempo após o fim da jornada noturna é contabilizado e remunerado como se o trabalhador seguisse trabalhando em regime de hora noturna, pois compensa-se esse desgaste do empregado, como se ele tivesse seguindo trabalhando a noite inteira, sob os efeitos de uma noite mal dormida.

Também esclarecemos que é possível ocorrerem horas extras em regime de trablho noturno. A regra é a de que a hora extra incide sobre o salário/hora do adicional noturno. Assim o cálculo se faz da seguinte forma: primeiro calcula-se a hora noturna (se houver a aplicação da “hora ficta”) e o respectivo percentual) para depois se aplicar o percentual de horas extras, e não o contrário.

Por fim, concluímos que esse instituto, além de remunerar o empregado, também visa como um desestímulo ao empregador em não exigir o empregado de modo a prejudica-lo, sendo isso determinado em nosso direito como “salário-condição”. Ou seja: o adicional deixa de ser devido se o empregado deixar de trabalhar no período noturno. Isso inclusive faz com que o empregador possa corrigir a jornada do empregado (pois do contrário, se o adicional fosse devido mesmo que o empregado persistisse trabalhando fora do horário noturno, de nada adiantaria o empregador deixar de requerer ao trabalhador desempenhar suas funções em situação menos gravosa, pois ele teria que seguir pagando o empregado como se ele estivesse trabalhando na condição prejudicial (ou seja, em horário noturno).

Conheça os serviços da ABL Advogados acessando nosso site! Somos um escritório especializado em advocacia previdenciária, atuando há 12 anos no mercado. Fale conosco!

 

Imagem pixabay

Podemos ajudá-lo?

Mande uma mensagem e descubra como podemos te ajudar.