Telefone (11) 4509-4697 Whatsapp (11) 93146-4697

As formas possíveis de jornada de trabalho e os respectivos limites com a reforma trabalhista

Por Gustavo Hoffman, advogado especialista em Direito do Trabalho da Aith, Badari e Luchin Advogados.

A limitação da jornada de trabalho é um direito do empregado – isso significa que, se o trabalhador for demandado pelo seu empregador a trabalhar além do horário estabelecido deverá haver a respectiva remuneração.

O conceito de trabalho por 8 (oito) horas diárias foi criado na Inglaterra, posteriormente à Revolução Industrial (e os diversos problemas iniciais ocorridos por abusos de jornada, subemprego e falta de segurança no trabalho – mazelas estas que ainda estão presentes em nosso cotidiano…). Com essa limitação, a ideia foi a de que as pessoas deveriam passar 1/3 (um terço) do seu dia trabalhando, 1/3 (um terço) do dia desempenhando livremente as atividades que bem entendesse e o terço final descansando/dormindo.

Logo, a maior preocupação da limitação da jornada de trabalho é justamente a saúde do trabalhador. Ainda que a OIT (Organização Internacional do Trabalho) e países participantes deste órgão (onde se inclui o Brasil) entendam que a jornada mais indicada seria a de 40 (quarenta) horas semanais, nosso país tem como regra geral a jornada de 44 (quarenta e quatro) horas por semana (o que implica em dizer que quatro horas devem ser trabalhadas aos sábados).

De certo modo muitos empregadores convencionam com seus empregados a compensação dessas quatro horas durante os dias úteis da semana – para que o empregado tenha a folga garantida nos sábados. Isso é feito de diversas formas: com o acréscimo de uma hora de segunda a quinta-feira na jornada de trabalho do empregado, ou ainda com a divisão dessas quatro horas do sábado por igual entre segunda e sexta-feira.

O texto original da CLT determinava que a jornada de forma geral seria de  48 (quarenta e oito) horas semanais (art. 58). Com o advento da Constituição de 1.988 (art. 7º, XIII) passou-se a adotar a jornada atualmente encarada como regra geral as 44 (quarenta e quatro) horas (ainda que algumas categorias tenham adotado por convenção tal jornada antes mesmo da Constituição, isso restou adotado de maneira uniforme apenas com a promulgação desta, em 1.988).

Com o passar dos anos uma nova escala foi regulamentada para algumas categorias (como empregados de shoppings centers e funcionários prediais terceirizados em São Paulo): a escala 12 por 36 horas. Tal jornada implica no trabalho por 12 (doze) horas, descansando o empregado nas 36 (trinta e seis) horas subsequentes, retornando para trabalhar após esse período e assim por diante.

A escala “12×36” anteriormente à Reforma Trabalhista só era possível por meio de Acordo Convenção Coletiva de Trabalho, tendo o TST pacificado que tal jornada era constitucional se prevista nesses termos, por meio da Súmula 444:

 “JORNADA DE TRABALHO. NORMA COLETIVA. LEI. ESCALA DE 12 POR 36. VALIDADE. É valida, em caráter excepcional, a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis de descanso, prevista em lei ou ajustada exclusivamente mediante acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva de trabalho, assegurada a remuneração em dobro dos feriados trabalhados. O empregado não tem direito ao pagamento de adicional referente ao labor prestado na décima primeira e décima segunda horas.”

Atualmente a Reforma Trabalhista ampliou tal possibilidade, por meio de acordos entre empregadores e trabalhadores também (vide artigo 59-A da CLT):

Art. 59-A.  Em exceção ao disposto no art. 59 desta Consolidação, é facultado às partes, mediante acordo individual escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho, estabelecer horário de trabalho de doze horas seguidas por trinta e seis horas ininterruptas de descanso, observados ou indenizados os intervalos para repouso e alimentação.

A maioria dos empregados da escala “12×36” inclusive opta por usar sua folga de 36 horas para trabalhar em outras atividades, visando complementar sua renda.  Em tese a jornada era para supostamente fazer o empregado descansar mais. No entanto, isso nem sempre ocorre, pois boa parte dos empregados labora no dia seguinte ao do dia das 12 horas trabalhadas, em razão de necessidades financeiras.

Podemos ajudá-lo?

Mande uma mensagem e descubra como podemos te ajudar.



Como nos Conheceu?